Descontrole

Amo e odeio quando isso acontece. Quando uma pessoa ou alguma coisa conseguem manipular minha atenção. Não vejo mais nada nem ninguém. Fico completamente envolvida e absorta.

Amo quando tudo caminha bem. Lógico, assim fica fácil. E, dessa forma, consigo justificar para mim mesma o fato de querer e pensar só naquilo. Porque, lá no fundo, sei que é loucura e procuro argumentos para me convencer.

Odeio quando algo não sai conforme o planejado. Meu mundinho quase desaba. Perco o chão. Fico desnorteada, sem saber que caminho seguir.

Eu sei que não deveria levar tudo tão a ferro e fogo. O que for bom – ótimo! – vou aproveitar. Mas não preciso e não devo dar a qualquer fato, acontecimento ou pessoa uma importância maior do que realmente tem. Assim, se não for perfeito, não me abalará tanto. É… saber, eu sei. Mas conseguir agir de acordo está complicado. Tudo o que vivo tem que ser com muita intensidade. Um sentimento não vem, chega e se instala em mim. Ele me invade, me inunda, toma conta de cada parte do meu corpo. Leva-me a crer que se eu não viver tudo junto, aqui e agora vou enlouquecer, perder a grande chance… seja lá qual for. Sendo muito sincera, não sei o que eu acho que pode acontecer. Só que sinto assim. Uma urgência. Ansiedade. Tiro forças não sei de onde, movo montanhas.

É… já sei. Também pensei nisso. Devia concentrar esta dedicação toda em algo mais produtivo, né? Sim, você tem razão. E penso nisso sempre. O problema é que ainda não consigo controlar. Ainda! Mas vou conseguir. E, quando isso acontecer… ah, não me segura porque eu serei capaz de mudar o mundo!

Anúncios

18 Respostas

  1. eu era mais asim. a gente vai envelhecendo (rs…envelhecer tem suas vantagens..e vai ficando mais calma) e questão de respiar..contar até dez e viar pro lado, é parece simples, é simples, mas na verdae é difícil.

    03/08/2009 às 18:09

    • Menina Misteriosa

      Oi, Iaiá!
      Bom ter você aqui…
      Pois é… preciso aprender. Vou continuar tentando! :)
      Beijos

      04/08/2009 às 00:48

  2. Menina!!

    Que é isso… se joga de cabeça! Mergulha fundo…

    Sabe, eu comecei a comentar aqui, mas vi que o comentário ficou grande demais, porque pra variar, me lembrei de várias experiências passadas… e por aí vai… rs

    Assim, vou postar um novo texto no meu blog, como resposta ao seu, ok?

    Beijinhos!

    03/08/2009 às 20:22

    • Menina Misteriosa

      Oi, Sweet!
      Mas eu estou mergulhando. Ih… já me joguei há muito tempo.
      O meu problema é dar valor a apenas aquela coisa ou pessoa. Eu esqueço do resto. Chego a ser displicente.
      Eu preciso aprender a viver intensamente conseguindo levar todo o resto numa boa, dando o devido valor a cada um. O controle a que me refiro é este.
      Consegui ser um pouco mais clara?
      Beijos
      P.S.: vou lá olhar o seu texto…

      04/08/2009 às 00:56

    • Sim! Entendi sim.. você está certíssima!!

      É com o tempo e com as experiências que vamos aprendendo a balancear as situações até chegar no que é o nosso ideal =D

      E parabéns pela percepção! Quando fazemos essa auto-análise, a melhoria já está começando.

      Obs: Essa sua resposta me trouxe um déjà vu… muito estranho… já vi isso antes, desse jeitinho!!

      04/08/2009 às 07:54

    • Menina Misteriosa

      Sweet,
      Muito obrigada!
      E este negócio do déjà vu, hein?! Tô adorando estas coincidências…
      Beijos

      04/08/2009 às 16:03

  3. Tá aí, se você se vê em alguns momentos em muita coisa que escrevo, me vi em quase todas essas palavras que eu li aqui.
    Eu só mudaria o “Amo E ODEIO..” porque eu só amo mesmo e acho que isso basta! A parte do odiar acho que fica pra depois, quando a confusão já foi instalada e o coração precisa, grita por ordem! – seja ela qual for- Mas entendi exatamente o que quis dizer com esses extremos!

    Anyways… é tão tão bom se sentir “manipulada” por algo ou alguém, desde que não seja instaurado uma escravidão de sentimentos – que fique claro – me sinto assim, e-xa-ta! E tô achando isso tão gostoso, sabia? Tô mandando aquele medinho embora e quero deixar as borboletas entrarem, fazerem grandes vôos…

    E elas entram, seja por um motivo só, ou por vários…quer saber? que sejam por vários!

    Ótima semana!!! ;)

    04/08/2009 às 10:43

    • Menina Misteriosa

      Mariana,
      Você consegue completar meus pensamentos. Legal!
      Concordo com deixar o ‘odiar’ para depois, em alguns casos.
      No meu, estava muito exagerado mesmo. E, por experiência própria, aprendi que, quando eu não ficava atenta, o depois ficava muito bagunçado – muito mesmo! – eu quase não conseguia arrumar. Por isso, preciso de um equilíbrio e, se não está legal, já dou o grito e consigo organizar minhas ideias com mais clareza.
      Agora, a sensação que descreveu é uma delícia sim! [suspiro mode on]
      Boa semana pra você também!
      Beijos

      04/08/2009 às 16:16

  4. e eu vou continuar tentando escrever sem comer e trocar letras…

    04/08/2009 às 12:51

    • Menina Misteriosa

      Iaiá,
      Isso nem importa! O que vale é o conteúdo e isso você tem de sobra!
      Beijos

      04/08/2009 às 16:16

  5. Sei beeeeeeeem como é isso…acredite.

    De tanto me sentir assim, afogada pela minha própria intensidade em relação ao que me cercava, e sofrer com isso, aprendi a focar em mim, antes de mais nada.

    Não é uma tarefa fácil, nem acontece da noite para o dia, mas quando percebemos o resultado, quando vemos que deixamos de trocar nossa paz pela ansiedade que qualquer evento seria capaz de despertar (sim, eu era assim), nos sentimos livres de uma espécie de prisão.

    Um beijo, querida. E tu consegue mudar o mundo, sim. O teu mundo, o particular. ;)

    ℓυηα

    04/08/2009 às 13:33

    • Menina Misteriosa

      Que lindo, Luna!
      Acho que é bem isso… essa leveza… é ela que eu busco!
      Suas palavras são sempre tão acolhedoras…
      Obrigada!
      Beijos

      04/08/2009 às 16:20

  6. Ah!Quem dera tivessémos o poder e força pra controlar o caos que invade nossa vida trazendo o descontrole…
    Vivendo e aprendendo!

    04/08/2009 às 17:04

    • Menina Misteriosa

      Oi, Nanda!
      É… controlar é complicado. Não conseguimos isso com quase nada, né?
      Mas diminuir a bagunça é possível sim.
      Como você disse, vamos aprendendo aos pouquinhos!
      Obrigada pela sua visita… gostei! Volte mais vezes, viu?
      Beijos

      04/08/2009 às 17:16

  7. Olá, Menina!

    Também já fui ferro e fogo. E percebi muito tarde como isso me atrapalhou, me confundiu as ideias etc.

    Acho que depois do que vivi, nunca mais serei o mesmo. Tentarei antever as coisas, o que, no fundo, é bem triste, mas pelo menos não me saboto mais.

    Espero ainda que eu também consiga controlar. Mas aí, sei lá, não vou querer mudar o mundo, não. Só a mim mesmo.

    Beijocas!

    P.S.: te achei pelo blogue da Sweet, que fez questão de fazer um post em resposta a este e que lerei agora. :)

    05/08/2009 às 20:16

    • Menina Misteriosa

      Oi, Fernando!
      Muito legal ter você por aqui… daqui a pouco, vou lá conhecer o seu blog!
      Parece que você entende bem o que estava acontecendo comigo, né?
      Vou torcer por você, para que consiga o que quer…
      Volte mais vezes, viu?
      Beijos

      06/08/2009 às 10:30

  8. Oi!
    então, concordo com suas palavras sobre o meu texto! :-)
    Bacana saber que gostou do meu cantinho lá, seja bem vinda sempre,
    apesar de antigo, estou voltando a escrever…o cheiro de tinta fresca persiste!,
    rsrsrs

    sobre seu texto…lembrei de uma musica do Paulinho moska
    segue a letra!

    Um automóvel segue cego
    Pela estrada iluminada de sol
    E o homem que está ao volante
    Nem olha pra trás…
    Aperta os olhos
    Solta a fumaça e pensa:

    Tudo se compõe, e se decompõe
    Tudo se compõe, e se decompõe
    Tudo se compõe, e se decompõe
    Tudo se compõe, e se decompõe

    A velocidade que emociona
    É a mesma que mata
    O sorriso antigo agora
    É lágrima barata
    A vida não pede licença
    E muito menos desculpa
    O perdão é que possibilita
    O nascimento da culpa

    E assim
    Viajando pelo mundo sem fim
    O silêncio planta seu jardim

    Esse automóvel surge surdo
    Pelo caminho abafado de som
    E a mulher que escreve um poema
    No banco de trás
    Aperta os olhos
    Solta a fumaça e pensa:

    Tudo se compõe, e se decompõe
    Tudo se compõe, e se decompõe
    Tudo se compõe, e se decompõe
    Tudo se compõe, e se decompõe

    A velocidade que emociona
    É a mesma que mata
    O sorriso antigo agora
    É lágrima barata
    A vida não pede licença
    E muito menos desculpa
    O perdão é que possibilita
    O nascimento da culpa

    E assim
    Viajando pelo mundo sem fim
    O silêncio planta seu jardim

    06/08/2009 às 15:10

    • Menina Misteriosa

      Oi, Marcus!
      Ah, vou lá te ler sim… e quero que volte mais aqui, tá?
      Obrigada pela visita e pela dica da música (não conhecia)!
      Beijos

      06/08/2009 às 15:26

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s