E ela ainda diz que a doida sou eu!

.

Brincavam de pique-esconde no recreio. Ele conhecia bem o colégio, judiava e a deixava desorientadinha tentando achá-lo. Só aparecia depois de se divertir bastante. Mas, na visão dela, ele sempre surgia como o herói que a ‘salvava’. E deu nisso: a imaginação mandou, ela se apaixonou e o que era brincadeira virou obsessão.

Para vigiá-lo, por mais que quisesse algo diferente, fez o mesmo curso que ele, na mesma faculdade. Depois, sugeriu abrirem um negócio juntos e, assim, trabalham e vivem até hoje, morando, não juntos, mas bem perto.

Não que essa proximidade toda adiantasse. Ele sempre estava acompanhado; uma mulher atrás da outra, quando não as tinha ao mesmo tempo.

A cada nova namorada, ela surtava. Ficava de tocaia, imaginando eles se tocando, se beijando. Gemia e se torturava com as cenas – do que poderia estar acontecendo – que passavam à sua frente, como um filme.

Ela não namorava, não tinha vida própria. Persegui-lo consumia muito tempo. Depois das (ou durante as) espreitadas bem sucedidas, pagava pelo sexo e se esbaldava ao pensar nele, sozinho. Não é nefasta, nem feia, nem mal amada. Recusava pretendentes, porque só ele lhe interessava.

Um dia, ela resolveu ‘experimentar’ o dito. Convidou-o pra jantar, na casa dela. Ele nunca foi difícil. E, durante esse tempo todo, ela sabia que seria moleza. Mão nisso, aquilo na mão, pernas, posições trocadas. Nada. Nem as variações, nem o básico a agradaram. Tentou bater, apanhar e tudo mais. Imagine o que quiser; eles tentaram. E nada.

Achou que estava curada. Começou outro relacionamento e nada. E mais outro. E outro. Tentou  até com as namoradas e affairs dele. E nada. Nem uma gozadinha sequer.

Mas no dia em que conseguiu desviar a atenção dele, que estava voltada para uma vagabunda da mesa ao lado, gozou ali mesmo, no bar.

A excitação vinha do controle, da perseguição. E não de tê-lo ou estar com ele. Ele não podia ser de ninguém. Nem dela. Gostava do sofrimento, do amor platônico, do inatingível. E dos homens que se submetiam à loucura e topavam acompanhá-la nesse jogo doentio.

.

Anúncios

41 Respostas

  1. Putz, ma não se se consigo este sentimento de posse e mesmo tempo não ter a posse, pois se quero alguém, quero sua alma, o seu coração e seu suor, tudo o que representa a minha amada, mesmo os seus momentos de tempestade.

    Fique com Deus, senhorita Menina Misteriosa.
    Um abraço.

    16/09/2010 às 16:15

    • Menina Misteriosa

      Daniel, o jogo é o que interessa a ela, nesse caso.
      Beijo

      28/09/2010 às 12:22

  2. Miss

    Uau! Tá que tá, heim? Muito bom!

    O que realmente a prendia era o jogo, o que a excitava era a conquista. Acabado isso, a graça se esvaía. Na verdade, talvez o grande problema aí seja o limite ultrapassado, entre o saudável e o doentio.

    Beijo, flor! ;)

    Miss

    16/09/2010 às 16:33

    • Menina Misteriosa

      Miss, será que conquistar torna o alvo menos interessante? Filosofias, Miss, filosofias…
      Love!

      28/09/2010 às 12:26

  3. Bom, pelo menos ela se descobriu, né? :) E se reinventou. ;)

    16/09/2010 às 19:42

    • Menina Misteriosa

      Justamente, Mirian! Seja como for, se encontrou!
      Beijo!

      28/09/2010 às 12:30

  4. Pode confessar: Você tem lido Nelson Rodrigues! ;-)

    Gostei do lance de ela só descobrir o click no final do conto. O clímax. E também de como tudo começou.

    besos,
    @paraquenomes

    16/09/2010 às 23:41

    • Menina Misteriosa

      André,
      Você não imagina a dúvida que me consumiu, justamente por causa desses dois pontos que mencionou. Muito bom saber sua opinião… obrigada!
      Beijo!

      28/09/2010 às 12:35

  5. hum, essa menina está ficando melhor q a encomenda…
    bjs

    17/09/2010 às 00:48

    • Menina Misteriosa

      S.,
      Ainda bem que você me entende e não se assusta comigo! ;)
      Tudo bem por aí?
      Beijo!

      28/09/2010 às 12:36

    • me assustar com você?
      nunca…
      aqui tudo ótimo!!!

      09/10/2010 às 03:11

  6. E muita gente boa padece desse mal.A possessividade só alcança quando há resposta, positiva ou negativa do nosso igual.

    Quando as respostas cessam, o possessivo e obssessivo enlouquece. Mas a loucura passa. E o acometido pela loucura alheia, pensará: “Por que não sumi antes?”

    Beijocas, linda!

    Fernando Ramos
    http://www.colunafantasma.blogspot.com
    http://www.aescritasalaz.blogspot.com
    http://www.twitter.com/colunafantasma/favorites

    17/09/2010 às 01:17

    • Menina Misteriosa

      Fernando,
      Penso sempre nisso. De alguma forma, há permissão, por mais que a pessoa reclame e diga que não quer.
      Beijo!

      28/09/2010 às 12:41

  7. Também gosto de jogar, blefar, avançar, recuar, criar estratégias… me dá mais prazer do que qualquer outra coisa. O movimento das peças do jogo, a arte da sedução… o inesperado. Há milênios não sei o que é isso, estou presa num relacionamento-xixi: morno, sem graça e que só atrapalha. Oh, my God… tudo o que eu quero fazer agora é jogar e cantar com Freddie Mercury: Play the Game!!!!

    Beijo, guria

    17/09/2010 às 10:24

    • Menina Misteriosa

      Sandra,
      Já vejo uma mudança. Agora, é apostar na continuidade dessa ideia de se permitir sentir mais viva! =)
      Beijo!

      28/09/2010 às 13:28

  8. uau. q conto bom. firme, forte, cotidano, ficção ou não, parece filme!

    17/09/2010 às 11:37

    • Menina Misteriosa

      Mauro Sérgio, você, sempre encantador. Obrigada!

      28/09/2010 às 13:33

  9. MM – seria ela a Rosie?

    Sandra – deixa o xixi de lado e vem pro MCP

    17/09/2010 às 11:47

    • Menina Misteriosa

      Gustavão,
      Segue bem o estilo dela, mas ainda prefiro a Rosie. Até bem mais que a própria Chelsea… rs

      Sandra, eu recomendo o MCP! É caminho sem volta. Dos bons!

      28/09/2010 às 13:35

  10. E entre blefes e àses, há de sempre haver um coringa na manga…
    Puta conto! Te beijo!

    17/09/2010 às 14:07

    • Menina Misteriosa

      Há, né, Moska? Sei…

      30/09/2010 às 18:29

  11. E o pior é que tem gosto pra tudo nesse mundo, cara MM! até pra amar dessa maneira maluca! Beijão!

    17/09/2010 às 14:58

    • Menina Misteriosa

      É aquele ponto, Alta, da permissão!
      Beijo!

      30/09/2010 às 18:31

  12. Tá, eu admito que gosto de transgressões e por isso vou defender a moça e dizer que ela não é louca. Tô numa fase em que se meus próprios pensamentos voltarem a fazer sentido pra mim, já me considerarei no lucro.

    Rs

    Beijos, love!

    ℓυηα

    * Adorei o clima do post, muito! ;)

    17/09/2010 às 16:14

    • Menina Misteriosa

      Também gosto de algumas, Luneta. As nossas são diferentes! ;)
      Love!

      30/09/2010 às 18:33

  13. Nem sempre o que pensamos realmente é. E só experimentando para ter certeza. Acrescentar ou desistir após o experimento. Por isso, é melhor sempre se arrepender do que fez do que nunca tentou.
    Daniel

    19/09/2010 às 20:14

    • Menina Misteriosa

      Daniel,
      Ela é uma louca fiel a ao que quer. E a si mesma.
      Beijo

      30/09/2010 às 18:40

  14. Adorei oe stilo,..esse é meu tipo de literatura, sujo na medida certa!
    Inté!

    20/09/2010 às 03:34

    • Menina Misteriosa

      Que bom, Maldito!
      Gostei da visita, volte mais vezes… beijo!

      30/09/2010 às 18:41

  15. Olá. Estive aqui. Muito interessante a estoria. Apareça po lá. Abraços.

    20/09/2010 às 15:25

    • Menina Misteriosa

      Obrigada, Rolando!

      30/09/2010 às 18:41

  16. Estava sentindo falta já de ler esses seus contos deliciosos e cheios de
    perversidades,tudo muito bem escrito.
    Adoro suas visitas aos meus blogs e principalmente seus comentários.
    Saudades MENINA!
    bjssss

    20/09/2010 às 21:05

    • Menina Misteriosa

      Paty, você, sempre tão gentil… obrigada!
      Um beijo

      p.s.: saudades também! como está o curso?

      30/09/2010 às 18:42

  17. sabe que essa historia é meio verdade mesmo, qdo estamos com alguem que procura outras parece que de alguma forma nos acostumamos com o” sofrimento.”
    beijo!

    21/09/2010 às 22:56

    • Menina Misteriosa

      E permitimos.
      Obrigada pela visita, Subfolk!

      30/09/2010 às 18:44

  18. Miltextos

    Posições trocadas: Nelson Rodrigues deveria te ler… Gozou?

    22/09/2010 às 00:20

    • Menina Misteriosa

      A personagem do conto que deveria te responder, não eu…

      Beijo, Jorge!

      30/09/2010 às 18:45

  19. hehehe. já tinha lido este.

    24/09/2010 às 14:05

    • Menina Misteriosa

      Sempre bom te ter por aqui, Giovani… beijo!

      30/09/2010 às 18:48

  20. Que doidera!
    Mas cada um é feliz como pode, ainda que seja de uma forma tão bizarra.

    Beijo.

    29/09/2010 às 12:54

    • Menina Misteriosa

      Se não fizer mal a ninguém, que mal tem? ;)
      Beijo e volte sempre, Dexter!

      30/09/2010 às 18:49

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s