Dilema do Prisioneiro

.

“Você sabe o que eu penso sobre você!”  (…) … não, não sei. Me diz?

o nosso mundo existe ou eu o criei sozinho?

Eu não preciso virar poema. Diz só pra mim.

Tem um pedaço lanhado, está sagrando ainda; ela mordeu, arrancou e levou. Eu escondo. Comprei um sapato novo, cortei o cabelo, passei batom. Mostro pra você, vem cá… viu como está feio? E ele? Ele foi embora e nem queria ir. Eu o sentia ainda comigo, mas a que vive aqui dentro de mim sabia que ele não estava mais e me contou…  e está doendo tanto… e eu não gosto de pedir… é que está tudo quente, tudo fincando, tudo tão maior e menos claro.

estou com medo que vire pedra. não deixa?

Eu não quero mais brincar de “adivinhar”. Sou péssima nisso e tem a culpa e está escuro.

eu estou aí? faço parte?

mesmo se eu vomitar um coelhinho?

mesmo se o Diabo não encher nossa taça?

mesmo depois que eu te disse que, apesar de muitas pessoas e turmas, poucos eu deixo entrar e que você eu deixei e que você é como se fosse uma parte de mim? eu te assustei?

quem não brinca de usar e maltratar e alfinetar e de cobrar vai pro balaio comum? é onde eu estou?

posso descansar um pouco? promete que o mundo não para?

se eu não gritar, você me ouve?

Eu confio. É que tem dias que tudo se esconde e eu sei que as coisas andam e são vivas… e eu fechei os olhos, tateei, agucei sentidos, esperei, depois busquei e procurei e continuei e me segurei… só que tudo sumiu… daí, eu senti um baque maior… e acho perdi tudo e sei que não me perdi… é que está tão difícil… e, dessa vez, eu não consegui encontrar sozinha… e eu não sinto nada aqui perto, tem tanto barulho, eu estou cansada, assustada e minhas mãos tremem e tem um vazio… e… me diz que não estou louca por continuar andando e por não sair e por não abandonar tudo e por não me afastar e por acreditar que o lugar é diferente mas que tudo [ainda] existe… me ajuda … me diz? … chega mais perto?

eu sei das portas e cadeados e caduques e da ausência e do medo e da descrença e das muitas pessoas e das distrações e da reclusão e dos novos brinquedos … e eu quero… me deixa entrar?

.

Quero Quero – Cláudio Nucci

.

Anúncios

12 Respostas

  1. Tati

    Lu, quando eu soube do acidente quis ir aí para o Brasil mas não deu tempo. Vem para cá, Lu, atravessar o oceano vai te fazer bem e tem um quarto só para você. Se não quiser para morar vem só me visitar.
    Vem? (foi de propósito)

    05/05/2011 às 23:20

  2. H.

    Donencrenca, eu já ia de qualquer jeito fica tranquila. A gente almoça, conversa e vai ficar tudo bem.

    06/05/2011 às 08:13

  3. “é que está tudo quente, tudo fincando, tudo tão maior e menos claro.”

    No calor do momento, na angústia da dor, tudo sempre parece maior do que relmente é, e menos claro, e infinito, e insuportável.

    Estou com você. Sempre estarei. Mesmo que às vezes eu desapareça um pouco, mesmo que por vezes pareça que tudo mudou.

    Love you, my sister. Love you.

    Miss

    06/05/2011 às 09:40

  4. Ju

    Sabia que seu cabelo está lindo?? Acho que ele daria até música.. =P
    Viu só, quanta gente por aqui.. digo, “por aí”, com você. ;)
    E olha eu aqui ==> o/

    Beijos!

    06/05/2011 às 11:33

  5. posso falar meu nome aqui?

    Vou pedir para ela trazer mais remedinhos porque pelo jeito o de quarta não funcionou e eu que não entendi nada. Coelhinho? Esse balaio é O balaio? Tou muito perto pra falar tudo por aqui. Te falo pessoalmente.

    06/05/2011 às 14:17

  6. Tati

    Lu, na sua palestra você vai falar sobre a teoria dos jogos ou é só tarada mesmo? Eu não me lembrava tive que procurar e agora entendi seu dilema: confie em menos do que nos poucos.
    Tem como você gravar e me mandar?

    07/05/2011 às 19:34

  7. Bonito, mas muita vezes, o que é tão lindo simplesmente finda, porém nunca deve terminar a nossa vontade de amar e ser amado…

    Fique com Deus, senhorita Menina Misteriosa.
    Um abraço.

    07/05/2011 às 20:58

  8. As relações são inexplicáveis, cada uma com seus mistérios próprios. Parece uma rede intrincada de desamor, tristeza, vazio, desespero, e nela sempre alguém alguém sai machucado. Ou saem os dois?

    Beijo, Menina!
    Gostei de te “ver”. ;)

    09/05/2011 às 15:46

  9. ou entra ou sai, não dá é pra ficar em cima do muro, eu preciso fechar a porta… só pq está frio.
    bjs

    12/05/2011 às 00:50

  10. Insegurança… já passei muito por esse mal… vivendo, aprendendo e perdendo nossos medos… nossos fantasmas… Hoje fico só com o medo da morte.

    Daniel

    12/05/2011 às 09:36

  11. Não vai pro balaio comum.

    12/05/2011 às 15:38

  12. deixa eu entrar?

    01/06/2011 às 12:38

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s