[sem síndrome da tagarelice arrependida]

.

:::

“Posso começar com uma confissão? Tenho medo de você. Não é bem medo, porque sinto em algum lugar (no meu sexto sentido, talvez) que você é uma pessoa doce, que dificilmente machucaria alguém. Mas medo, porque você tem aquela coisa que me faz falar sem ter medo. Tenho medo de você porque você me faz perder o medo, e o medo é a minha melhor defesa (é claro que isso não quer dizer que seja algo ruim, às vezes gosto de me sentir assim, livre das amarras nas quais eu mesmo me atei no ofício complicado de conhecer pessoas).

(…)

Admito que mal conheço você, mas de certa forma sei que conheço. Gosto de você. Gosto daquilo que não conheço. Naquilo que me reconheço. Não tente entender (ninguém entende, só eu).* “

:::

Esse trecho foi escrito, para mim, por uma pessoa que estou deixando entrar e me conhecer um pouco mais.

Li e senti um arrepio trovejar minha serra dos órgãos, daqueles quando alguém nos descreve sem saber. Ele estava falando dele em relação a mim. Mas parece que estava falando de mim. Em relação a você. Sim, porque é assim que eu me sinto com você.

É estranho e bom. Como virar um pronome possessivo, por gosto de querer o ser.

Certeza não se explica.

“Quem disse que o estranho não pode ser digno de admiração?”. Eu admiro esse meu sentimento de não temer que você veja minha sombra no escuro. Sem enaltecer, sem altar, sem seres intocáveis.

É um sentimento bizarro e bizarro não é estranho só. Bizarro vem do italiano bizarro que denota aquilo que é: elegante, puro de caráter, gentil, generoso, digno de admiração, original.

E nosso. Quer dizer, não posso dizer que é nosso. Posso dizer que é meu. Sim, eu tenho um sentimento bizarro que é meu sobre o nosso que eu construí e re-construo de noite, “quando o sol dá a alma pra noite que vem”**…

.

** Nós – Barão Vermelho

*trecho de uma carta dele, enviada só para mim

.

Anúncios

14 Respostas

  1. Menina Misteriosa

    Pedi a opinião de um amigo querido sobre meus textos e uma possível pseudo afetação na minha escrita.

    E ele cantou para mim:

    Just The Way You Are

    “Don’t go changing, to try and please me
    You never let me down before
    Don’t imagine you’re too familiar
    And I don’t see you anymore
    I wouldn’t leave you in times of trouble
    We never could have come this far
    I took the good times, I’ll take the bad times
    I’ll take you just the way you are

    Don’t go trying some new fashion
    Don’t change the color of your hair
    You always have my unspoken passion
    Although I might not seem to care

    I don’t want clever conversation
    I never want to work that hard
    I just want someone that I can talk to
    I want you just the way you are.

    I need to know that you will always be
    The same old someone that I knew
    What will it take till you believe in me
    The way that I believe in you.

    I said I love you and that’s forever
    And this I promise from the heart
    I could not love you any better
    I love you just the way you are. “

    A você, você sabe que é você e é só isso que me importa, um abraço bem apertado para dizer sem falar: “muito obrigada”. E um beijo

    22/09/2011 às 10:17

  2. Das certezas que brotam e crescem no peito, sem que jamais tenhamos lhes jogado uma só gota d’água ou adubo. É verdade, “certeza não se explica”.

    Sempre que passo aqui, sinto vontade de escrever… tuas linhas me inspiram e fazem suspirar.

    Ps. obrigada pelos comentários lá no blog. Vou responder lá, viu? ;) =**

    #love

    22/09/2011 às 11:50

    • Menina Misteriosa

      Miss,
      nossas conversas desvairadas são sempre inspiração. assim, como você, pra mim.

      #love

      23/09/2011 às 10:38

  3. Oláááá Menina Misteriosa… to retribuindo a visita!
    Gostei do cantinho.. to seguindo.
    Beijo

    22/09/2011 às 13:48

    • Menina Misteriosa

      Adri,
      puxe uma cadeira, a casa é sua!

      Beijo

      23/09/2011 às 10:38

  4. Que texto lindo Menina..

    Achei essa pessoa tão corajosa por te escrever falando do seu medo.
    Esse é aquele momento pré-amor. Acho que é o momento mais lindo de todos. =)

    22/09/2011 às 14:14

    • Menina Misteriosa

      Érica,
      corajoso mesmo. do tipo que desperta admiração. e, admiração, em qualquer tipo de relação, é fundamental.
      o momento no qual a pessoa permite que a gente abra as gavetas onde cada sentimento está guardado, escondido e até reprimido é lindo sim.

      bom você aqui.

      beijo

      23/09/2011 às 10:40

  5. Eu deixei de ter certos medos, mas admito, eu tenho medo de mim. Do que não sou capaz, e mais do que sou, enfim. Vc maneja bem as palavras, e é mto bom ter vc por perto. Conte comigo, rumo ao infinito.

    baci,
    @paraquenomes

    23/09/2011 às 05:16

    • Menina Misteriosa

      Essa coisa de manejar bem me deixou cabreira! rs

      Sobre o infinito, que não seja buraco negro e sim cânion.

      E, ó, cuidado: ele está balançando os bracinhos e pulando tanto aí dentro da gaveta, que acabou de bater a cabeça no teto, no teto da gaveta, claro.

      Beijo, @paraquenomes.

      p.s.: a homenagem ao Quintana do seu nick do twitter “Para que nomes? Era azul e voava” sempre me faz lembrar do Pássaro Azul de Buk. [aqui, em vídeo; aqui, em áudio traduzido]

      23/09/2011 às 10:46

  6. Queria que mais pessoas tivessem essa “coragem”, de se jogar pra vida sem temer o próximo passo, ou melhor, temendo, mas se dispondo a cair só pra poder levantar e sorrindo dizer: “foi nada não, só um pulinho; vamo continuar, querida?”. “Há um pássaro azul no meu coração”, de vez em quando deixo ele sair pra pousar em janelas, mas ele sempre volta, cheio de histórias, sentimentos, proximidades. Ele me conta tudo.

    (tem um comentário aí pra cima que eu gostei muito, mas vou guardar pra mim, deixo curiosos)

    24/09/2011 às 18:45

    • Menina Misteriosa

      O difícil mesmo é se sentir vulnerável. Não que cair e levantar seja fácil…

      … mas, canto com a Beth, reconheço a queda e não desanimo:

      “Chorei
      Não procurei esconder
      Todos viram, fingiram
      Pena de mim não precisava
      Ali onde eu chorei
      Qualquer um chorava
      Dar a volta por cima que eu dei
      Quero ver quem dava”

      Um beijo, Andrew!

      p.s.: sobre o comentário, posição de bule! humpf!

      27/09/2011 às 12:28

  7. entender pra q???
    o medo só não pode tomar conta da situação, fora isso ter medo é normal e saudável.
    eu tenho medo de você.

    08/10/2011 às 01:22

    • Menina Misteriosa

      É o que sempre me pergunto, S.! Tenho uma mania chata de pensar demais!

      Adianta dizer: “não tenha medo”? ;)

      Beijo!!!

      08/10/2011 às 08:20

    • você tem mania de manias… viva!!!!!!!!!!
      não adianta… hahaha
      bjs

      12/10/2011 às 00:59

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s